Construção civil discute cada vez mais sustentabilidade

Ramo em evidência e expansão no cenário econômico, a construção civil é responsável por grande contribuição a economia brasileira e por colocar no mercado de trabalho milhares de pessoas. Entre os fatores de destaque para o crescimento do setor, estão os programas habitacionais do governo, como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o Minha Casa, Minha Vida.

Com tantas obras sendo realizadas pelo País, como fazer para que tal crescimento seja acompanhado pelo avanço da consciência e responsabilidade ambiental? Atualmente, um dos principais pontos de discussão nessa área é a redução a quantidade de resíduos deixados pelas obras.

Uma das soluções encontradas pelas empresas do ramo foi o sistema industrializado para construção. De acordo com Cássia Regina Martins, diretora da PDCA Engenharia, a redução significativa da perda de materiais – antes imensuráveis, como cimento, areia, pedra, ferro, fios e cabos, são algumas das vantagens do processo construtivo industrializado.
Mas, para alcançar a excelência no processo, a empresa, que há 16 anos atua no mercado em vários estados brasileiros, precisou encontrar soluções integradas para todo o canteiro de obras e investir pesado na qualificação da mão-de-obra. “E o benefício não é só ambiental. Além de evitar o desperdício de matérias-primas retiradas da natureza, o custo da obra é minimizado – o que é repassado para o cliente, o prazo de entrega é menor e ainda percebemos a redução do número de acidentes de trabalho no canteiro de obras”, acrescenta Cássia.

O sistema industrializado utilizado pela PDCA Engenharia é atestado pelo IPT-USP, o único sistema a obter o selo de referência técnica, e consiste na pré-fabricação de painéis com tijolo cerâmico de oito furos estruturados com concreto armado e nervuras de reforço, com esquadrias e as tubulações elétricas e hidráulicas já instaladas, além de reboco interno e externo aplicado. “Conseguimos montar uma casa em apenas um dia e com a mesma qualidade do sistema tradicional de construção”, ressalta a diretora.

A utilização da energia solar é outra ação que pode fazer uma grande diferença e vem sendo pouco a pouco implementada na construção civil. “Hoje estamos muito focados no mercado de habitação até R$180 mil e com grande atuação no Programa Minha Casa Minha Vida. Em alguns empreendimentos, agregamos às casas os aquecedores solares, que proporcionam uma redução de 40% no consumo de energia elétrica: mais economia para moradores e meio-ambiente”, diz Cássia.

Fonte: Info imoveis